Tudo sobre segurança cibernética

Não é novidade pra ninguém que com a chegada da covid-19 os acessos pela internet aumentaram drasticamente. Muitas empresas que não tinham presença online, passaram a ter, e muitas pessoas que pouco acessavam a internet, agora acessam constantemente para pesquisar, consumir e se conectar com vários tipos de entretenimentos. 

No entanto, o aumento de acessos também trouxe o aumento de perigos no mundo digital, que são as decorrências de tentativas de fraudes através de pessoas que se aproveitam da vulnerabilidade da internet para invadir, roubar e manipular dados e arquivos. 

É por isso que existe a segurança cibernética, para proteger empresas e pessoas contra esses ataques maliciosos. 

O que é segurança cibernética

Para explicar melhor esse tema, antes de mais nada, se você procurar no dicionário o que significa a palavra “cibernética” vai encontrar que ela é: “um campo de estudo comparativo dos sistemas e mecanismos de controle automático, regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas.” A palavra segurança, como todo mundo sabe – nada mais é, do que um ato de tornar seguro, estável e firme. 

Logo a segurança cibernética é um conjunto de ações que visam a proteção das informações que são armazenadas nos computadores e aparelhos de computação e transmitida através das redes de comunicação, tal como: internet e celulares. 

Pesquisas mostram que o Brasil é o segundo país que mais sofrem ataques cibernéticos, registrando um número de 120,7 milhões de ataques, isso até o ano de 2018 e no ano de 2019 infelizmente não foi muito diferente. 

Por isso essas práticas são tão importantes. Para proporcionar a população brasileira segurança ao acessar a internet, seja para consumir produtos/serviços, aprender e interagir socialmente. 

Quais práticas de segurança são essas? 

No entanto, a primeira coisa quando pensamos em facilidade de compartilhamentos e informações, é importante adotarmos hábitos de segurança da informação para que a tecnologia seja aproveitada da melhor maneira. Confira: 

Realização de backups: essa prática consiste em uma cópia de dados de um dispositivo de armazenamento para outro. Onde possam ser restaurados em caso de perda das informações originais. Uma prática fundamental que deve ser realizada com frequência a fim de proteger os dados. 

Conferir a segurança de fontes antes de compartilhar: um dos maiores problemas ao receber anexos, links ou qualquer outro tipo de informações via e-mail, whatsapp, redes sociais ou outros serviços.  É o compartilhamento de informações sem a conferência da fonte, se ela é ou não confiável. Essa prática estabelece segurança não só  para você, como também, para o remetente que receberá essas informações. 

Aposte em senhas robustas: por incrível que pareça umas das senhas mais comuns e utilizadas pela população é a senha numérica “123456. Portanto, criar senhas mais robustas e alfanuméricas com combinações diferentes, dificulta as tentativas de outras pessoas em acessarem a sua conta e é uma prática que também deve ser atualizada com frequência. 

Quando se trata de empresas, as políticas de segurança devem ser adotadas e compartilhadas com todos os colaboradores para se tornar eficaz quando de fato os profissionais colocarem em prática. Confira alguma delas: 

1- Criptografia de dados ;

2- Cuidar com as transações de pagamento online;

3 – Manter um software antivírus;

4 – adotar abordagens de educação para os colaboradores. 

Lembre-se, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), também veio para fortalecer as práticas de segurança. Por isso, procure seguir as políticas estabelecidas por ela, e que estão diretamente relacionadas com a segurança da informação do usuário para proteger e evitar as tentativas fraudulentas.